(Reflexão) Porque eu não sou anarquista

945768_583118435055549_79597078_n

O rótulo de “anarquista” é algo controverso, contestado por muitos e discutido por outros tantos.

Dado que rotular-se significa limitar-se, muitas pessoas que tem em si, valores e estilos de pensamento anarquista, não se julgam anarquistas afim de não se limitar a algo que é pre-definido e posto por outros.

Desde criança sempre fui uma pessoa questionadora e libertária. Rompi com o ensino formal aos 15 anos de idade.

Nunca cursei uma universidade. Nunca tive preconceitos assumidos contra nenhum tipo de pessoa, classe, coisa ou ser vivo.

Claro que muitas vezes reproduzimos preconceitos que nos são impostos pela sociedade e pelo meio em que vivemos.

Longe de mim pensar que eu seria diferente.

Porem meu anti-academicismo e ao mesmo tempo a minha ânsia por um mundo melhor, me fizeram acreditar muito no anarquismo como solução e por mais distante que uma sociedade libertária esteja dos dias de hoje, acredito nela como um horizonte e como base moral para pensamentos e ações.

Militei ativamente em diversas frentes que considerei importantes. Me intitulei anarquista pois apesar de sempre ter sido contra rótulos, meu anarquismo foi algo orgânico. Numa certa época de minha vida, eu simplesmente descobri que sempre fui anarquista e não simplesmente decidi que, de um dia para outro, eu o seria.

Mas hoje vejo essa questão com outros olhos e entendo que o anarquismo está muito além de rotular-se ou intitular-se como um.

Conheci diversos anarquistas durante a vida, das mais diversas tendências e com pensamentos muitas vezes divergentes.

Talvez tenha sido justamente essa grande diversidade que pode ser encontrada no pensamento anarquista, que tenha feito com que eu chegasse a conclusão que pretendo passar com esse texto.

Se ser anarquista é vomitar pensadores de outros séculos e fechar os olhos para o quanto o mundo mudou desde então, eu não sou anarquista.

Se ser anarquista é passar por cima de todos os princípios libertários para organizar a militância da forma com que acho correto, eu não sou anarquista.

Se ser anarquista é petrificar idéias e tornar o pensamento imutável, para não contrariar algo que foi pensado por anarquistas em outros momentos, eu não sou anarquista.

Se ser anarquista é apontar dedos, criar brigas internas e ligar “anarcômetros”, eu não sou anarquista.

Se ser anarquista é se achar superior a outros indivíduos, por eles não serem anarquistas e considerar-se iluminado por sê-lo, eu não sou anarquista.

Se ser anarquista é fechar-se em clubinhos secretos, falar para si mesmos e devanear entre realidade e teorias de conspiração ridículas, eu não sou anarquista.

E se hoje não me considero anarquista, não é porque perdi ou desacreditei dos meus princípios de liberdade, anti-opressão, anti-coerção, anti-exploração e anti-hierarquia, entre outros, mas sim porque não enxergo esses mesmos princípios em uma grande maioria de anarquistas que conheci, seja no campo das idéias ou no campo das ações.

Não pretendo ser mais um trilhando um caminho hipócrita, onde as idéias não condizem com as práticas. Não quero ser o messias da salvação libertadora.

Não quero uma estátua minha em lugar nenhum e nem me tornar mártir ou herói da resistência.

Não tenho a menor pretensão de publicar textos acadêmicos ou de organizar coletivos para ação direta simplesmente para me sentir importante.

Não quero jamais ser famoso, mesmo que num submundo que não sai na TV ou jornais.

Não acredito em fórmulas mágicas pra mudar a sociedade.

Não acredito sequer que processos de mudança bruscos, com grandes rupturas sejam possíveis de ser alcançados de forma intencional. Esses processos para mim, são raríssimos e orgânicos, impossíveis de serem previstos ou provocados.

Acredito numa mudança constante, numa mudança que já estamos presenciando e que todos fazemos parte, anarquistas ou não.

Acredito em exemplos, não em gurus iluminados.

Quero andar sempre ao lado, nunca a frente ou atras.

Quero fazer mudança mas jamais SER a mudança.

Quero o confronto de idéias, não para convencer outras pessoas das minhas e sim para alimentar idéias com mais idéias.

Quero o contraditório, quero o diferente, quero o novo, o vivo, o sentido e as sensações.

Quero ser poeta, musico, escritor, medico e advogado.

Quero ser gay, puta, travesti, negro, índio e espirita e umbandista.

Quero ver o mundo, quero ouvir mais e falar menos.

Quero a minha liberdade potencializada pela do outro e não liberdades que cerceiam umas as outras.

Não quero caixinhas, clubinhos, dogmas ou sectarismo.

Disso o mundo de hoje já está cheio e não é o que colabora(pelo menos na minha opinião de merda) para essa constante mudança.

E disso o anarquismo de hoje também está cheio.

Por isso não sou anarquista.

Ou pelo menos não sou esse anarquista. Prefiro me identificar talvez como um ser anárquico, pois tenho pra mim que o anarquismo hoje precisa ser desconstruído e reconstruído, para acompanhar as mudanças do mundo e ser um horizonte menos distante.

Acredito inclusive, que talvez Bakunin ou outros grandes pensadores do anarquismo, se estivessem vivos, fariam tambem algum tipo de desconstrução, de mudança de paradigmas.

Talvez Bakunin revisse seus círculos concêntricos, Proudhon dissertasse com outro olhar sobre a propriedade, Malatesta escrevesse algo sobre proto-fascismo ou Emma Goldman sobre as diversas frentes do feminismo e seus atravessamentos com a luta trans e a filosofia queer.

Ou talvez não. Talvez se mantivessem parados no tempo, como muitos dos militantes anarquistas mais velhos, e encastelados em suas torres de marfim acadêmico, continuassem com um discurso antigo e nem sempre atemporal.

Mas talvez um dia, se o anarquismo “moderno” voltar a não caber no mundo, aceitar melhor suas transformações e passar a ser algo mais líquido e com mais fluidez, numa eterna desconstrução e reconstrução, eu volte a ser um anarquista.

J.

6 thoughts on “(Reflexão) Porque eu não sou anarquista”

  1. Gostei de muitos posicionamentos do texto. É radicalmente crítico e combate a vaidade e o individualismo.

    Porém, se me permitem a liberdade da crítica, gostaria de fazer algumas considerações.

    Eu achei o texto demasiadamente romântico. Ser romântico é lindo e pode nos sensibilizar para problemas sérios da realidade, mas também é perigoso pois pode nos levar facilmente para longe da razão.

    O “rótulo” só é um problema grave se for vazio de conteúdo, se for apenas uma fachada para nossas incertezas. Todavia, não é problema nenhum identificar-se com uma corrente de pensamento revolucionária se a sua convicção for honesta e madura.

    É claro que identidades coletivas sempre serão genéricas, e não podem encerrar em si a heterogeneidade do anarquismo, por exemplo, mas se apoiam em princípios gerais que podem fazer com que vários indivíduos diferentes se unam por uma causa comum, um bem maior.

    Por isso, muito embora o texto se posicionar contra o individualismo, no fim das contas ele parece incorporar inconscientemente alguns aspectos deste mesmo individualismo.

  2. Penso que a controvérsia esta nas informações sobre o assunto que são discutidas de modo superficial e sem profundidade. pois se avaliar bem a questão ira compreender este tipo de sistema de coisas de forma politica social e humanizante da sociedade. Mais que Anarquista sou Ser… Humano… Cósmico e incondicionalmente Livre !

  3. Faço de J as minhas palavras.
    Reconheço perfeitamente a realidade que ele descreve.
    E assino em baixo.

  4. “De vez em quando chega um jovem, que sonha com tambores e barricadas e vem procurar cenas de sensação, mas deserta a causa do povo tão logo percebe que o caminho da barricada é longo, que o trabalho é penoso e que, neste caminho, as coroas de louro que ele conquistar estarão misturadas a espinhos. Com maior freqüência, são ambiciosos insaciados, que, após terem fracassado em suas pri­meiras tentativas, procuram captar os votos do povo, mas mais tarde serão os primeiros a troar contra ele, assim que este quiser aplicar os princípios que eles próprios professaram; talvez apontem os canhões contra a “vil multidão”, se ela ousar se mover antes que eles, os chefes, tenham dado o sinal.

    Acrescente a estúpida injúria, o arrogante desprezo, a covarde calúnia por parte da maioria, e terá tudo o que o povo agora recebe por parte da juventude burguesa, para ajudá-la em sua evolução social. ”

    Piotr Kroptkin

Comments are closed.