Marchas contra a Austeridade no Rio de Janeiro – 11.11.16

Relato de uma mina moradora de favela sobre o ato realizado no Rio de Janeiro, no dia 11 novembro de 2016, contra as medidas de austeridade fiscal no estado e contra a PEC 241-55. 

11.11.16

11.11.16

O ato se concentrou na Candelária e já estava cercado por policiais militares desde muito antes de começar a andar. Eles, os pms, estavam enfileirados por todo canto, devidamente armados com seus cacetetes, escudos e tudo o que têm direito. Ainda enquanto estávamos ali já chegavam informações de que a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro -ALERJ, onde era o destino do ato, estava cercada por policiais também. A gente já sabia o que ia acontecer.

Andamos, palavras de ordem sendo ditas no carro de som, pessoas animadas durante o percurso até que conseguimos enxergar a escadaria e a ALERJ estava toda preta. Eram 4, eu diria até 5 fileiras de policiais nas escadas, logo na entrada do prédio. É como se eles já estivessem lá esperando a nossa chegada pra começar o “show” e assim foi feito.

A multidão se aglomerou, alguns se arriscaram a se aproximar da “escolta policial” que estava na escadaria mas a grande maioria observou de baixo, preferiu manter uma distância que fosse segura. Alguns fogos de artificio eram estourados durante a fala de algumas pessoas que estavam no carro de som, mas isso não estava impedindo o ato de começar ali. Num dado momento, enquanto estávamos parados ali, chegou pra nós a notícia de que a cavalaria da polícia havia chegado e estava montada em fileiras numa das laterais do ato (2016 ou 1964?). Enquanto isso, a tropa de choque da PMERJ estava ao lado oposto; estávamos cercados, quase um caldeirão Hamburgo. A gente tinha certeza sobre o que ia acontecer.

Um tempo depois as pessoas que estavam com o microfone do carro de som anunciaram o fim do ato. Vale ressaltar que pessoas do movimento ali representado haviam tentado agredir e criminalizar manifestantes, libertários e anarquistas, em atos anteriores, tendo relatos de que também estavam os entregando para policiais. Eles anunciaram o fim do ato mas deram o “start” para “brincadeira” da polícia começar. Foi ouvido um barulho, algo como uma bomba ou um rojão, e podíamos observar alguns policias descendo enfileirados pelas laterais das escadas da Alerj.

A movimentação de pessoas querendo sair dali foi imensa e mesmo assim eles partiram pra cima. Muita bomba de efeito moral, cavalaria indo pra cima de manifestantes mascarados, pessoas correndo pra todos os lados. Foi desesperador.

fb_img_1478963300066

11.11.16

Alguns amigos e eu entramos numa rua onde haviam bares e várias pessoas bebendo, comendo e afins. Ao ver o que tava rolando essas mesmas pessoas se levantaram e começaram a gritar palavras de ordem contra os policiais, o que foi mais um deixa pra eles agirem.

Tentávamos sair por várias outras ruas, mas em todas haviam cruzadas armadas pela polícia e a cada rua que entrávamos, sentíamos um cheiro muito forte de spray de pimenta, ouvíamos barulhos de bombas, sabíamos que em outro lugar eles estavam indo pra cima dos manifestantes. Até que conseguimos voltar pra ALERJ, onde haviam poucas pessoas, mas a cavalaria ainda se fazia presente jogando bomba e disparando em cima das pessoas.

11.11.16

11.11.16

Tivemos que correr para não ficarmos sozinhos – nos perdemos e estávamos em três pessoas no inicio da confusão até então – no meio de todo aquele caos, achamos o grupo que estava conosco no inicio do ato e nos juntamos novamente. Enquanto corríamos, tínhamos consciência do que eles fariam se nos pegássemos numa minoria tão gritante. Eles nos perseguiram até a Candelária, continuaram jogando bombas e spray de pimenta na nossa direção, e chegando lá se agruparam na espera de terem outro motivo pra nos atacar.

O que a gente poderia fazer naqueles momentos além de correr? Eram as armas deles, armas que eles dizem ser não letais, mas ja cegaram várias pessoas, as forças deles, a suposta autoridade deles contra nós.

Quando nos acalmamos num lugar e eu consegui acompanhar as redes sociais, recebi a notícia de que duas amigas estavam cercadas dentro de um bar próximo de onde estávamos. Recebi a notícia de um midiativista que foi espancado. Recebi a notícia de pessoas feridas no hospital. Recebi fotos e vídeos de coisas que aconteceram enquanto eu procurava um lugar seguro pra ficar.

11.11.16

11.11.16

E é doloroso tomar consciência do desfecho que uma manifestação toma. Manifestar é um direito nosso e SEMPRE é a mesma repressão. Dias atrás houve uma manifestação de Servidos Públicos onde policiais militares, policiais,  bombeiros e outros fizeram uma bagunça dentro do prédio da ALERJ. Que tipo de repressão sofreram? Não vi ninguém ferido, nenhuma bomba, nenhum tiro. Nada. O Estado com essas atitudes contra a população que luta pelos seus direitos acaba criando seu próprio inimigo e alimentando cada vez mais o ódio contra ele.

Dizem que a polícia do Rio de Janeiro não é bem preparada, eu descordo. Eles estão não muito bem preparados pra fazer todos os tipos de repressão contra as minorias e contra aqueles que dão o sangue e o suor na esperança de alguma mudança na nossa sociedade. E é por acreditar na mudança que gente não desiste, se amanhã tiver outro ato estaremos lá, estaremos juntos e estaremos prontos. Querem nos derrubar mas voltaremos mais fortes. Não vai ter arrego!

Que os ricos paguem a crise!

Posted in Notícias | Tagged | Comentários desativados em Marchas contra a Austeridade no Rio de Janeiro – 11.11.16

O dia que o POVO calou os interesses políticos/partidários da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro

                          “O povo não deve temer seu Estado. O Estado deve temer seu povo”

O projeto de lei n° 1442/2015 previa que alguns vereadores continuassem recebendo salário, mesmo após o fim do mandato. O valor do salário seria igual ao que recebe um secretário da prefeitura, ou seja, R$ 15 mil líquidos por mês. Ele previa que o vereador que já é funcionário público municipal e tenha três mandatos seguidos ou quatro intercalados receba esse salário pelo resto da vida. Depois de forte pressão popular o projeto foi vetado de forma unânime e arquivado, mas vamos aqui problematizar e colocar alguns fatos sobre todo o decorrer do processo:

1 – Muitos vereadores da esquerda e direita carioca foram apoiadores e co-autores do projeto; alguns deram a DESCULPA que não leram a proposta e/ou não entenderam, mas mesmo assim assinaram.

Bom, para essa galera da DESCULPA esfarrapada, perguntamos: vocês assinam contrato de compra de algum serviço pessoal sem ler e ou entender o que está escrito? Assinam qualquer coisa que seja sem ler ou entender? Sabemos que a resposta é: não! Por que então assinaram em apoio e/ou co-autoria?

Isso só é mais uma prova de que essa galera partidária da câmara dos vereadores não tá trabalhando para o povo – assinar algo e depois vir publicamente dizer que não havia entendido bem o projeto é INADMISSÍVEL, não dar atenção a qualquer projeto que tramite na câmara é CAGAR PARA O POVO! Sacou?

Para esclarecimento: o que seria “assinar apoio a um projeto” dentro da câmara dos vereadores?

A assinatura de apoio é apenas um aval pra condução ao debate, uma etapa anterior à votação. Quando é muito absurdo o projeto, pode sim ser uma etapa pra embarreirar, nem ir ao debate, muito menos à votação, ou seja, para um projeto avançar e chegar até a votação, ele precisa ficar “robusto”, ter “peso” de apoiadores e tal.  Logo, essas assinaturas de apoio dão força para isso. Quanto mais apoio o projeto tiver, mais chances de ser conduzido à votação ele terá; ele será considerado digno de ser debatido.

2 – Depois da pressão popular frente a essa mesada vitalícia, alguns vereadores retiraram seus apoios ao projeto para não ficar “mal na fita” e seus respectivos partidos políticos lançaram suas notinhas dizendo que não apoiam um projeto assim e blá blá blá, mais do mesmo. Na moral, se não houvesse essa pressão popular esse projeto “passaria bonito”, logo, o crédito não é de um vereador ou de um partido que se colocou contra e sim do POVO que gritou e fez valer sua força. Então partidos políticos e vereadores, parem de falar que foram vocês que barraram, o PROTAGONISMO dessa vitória é da população e não de vocês!

“Câmara do Rio rejeita proposta de mesada de R$ 15 mil para vereadores
Por unanimidade (40 a 0), a proposta foi derrubada e, agora, será  arquivada. O autor principal, João Cabral (PMDB), se absteve da votação.”

link:  http://glo.bo/2farzDO

3 – Esse projeto está tramitando dentro da câmara dos vereadores já há um bom tempo, então, por que raios NENHUM partido político ou vereador pautou antes essa bizarrice? Aí, quer chegar nos 45 minutos do 2° tempo e dizer que é contra, que não apoia, que não era bem assim, retira apoio, se justifica com nota etc. Na moral, tá feião e nós não somos burros, ok?

4 – Esses vereadores estão sendo pagos com dinheiro público, logo, sua função mais básica é ler os projetos, tomar ciência das pautas da câmara, discutir e prestar contas ao povo, porém, dizer que não leu um projeto ou não entendeu, não é desculpa em nenhum lugar do planeta, já que é esse o trabalho para o qual essas pessoas são pagas e ainda têm todo o aparato do Estado para realizar.

Mas pera lá, galera da RIA, coitado do vereador, tem inúmeras funções e não tem muito tempo para fazer isso tudo…

Para a galera que vai alegar isso, vale lembrar que cada vereador recebe uma verba para seu gabinete que também é destinada para contratação de assessores e estagiários, logo, uma das funções desse pessoal é ler os projetos e passar ao vereador o resumo, e o vereador leva a pauta para o seu partido para abrir também a discussão se é viável ou não seu apoio ou co-autoria. Alegar que não tem ou teve tempo para ler os projetos que tramitam na casa, que não entendeu, que não houve discussão dentro de suas frentes é MENTIRA. E falar que houve discussão uma semana antes ou quando a bomba estourou na mídia também não vai colar!

Os gabinetes dos vereadores cariocas contam com 20 cargos comissionados:
1 Assessor-Chefe
1 Consultor
1 Assessor
2 Assessores
2 Assistentes
6 Oficiais de Gabinete
7 Auxiliares de Gabinete

Cada Gabinete pode também contar com até 3 (três) servidores efetivos do Quadro de Pessoal da própria Câmara, e esse limite também ficou estabelecido no DL 875/2010, cujo art. 3º altera a redação do art. 46 do DL 26/1991. Segue o link da Estrutura de Gabinetes

5 – Esse projeto teve como co-autoria 35 vereadores, de esquerda e direita, além de 4 apoiadores, como mostra CLARAMENTE o documento do projeto:

https://imgur.com/J2IHwY2
https://imgur.com/a/oF0ph
https://imgur.com/a/L6UqB

Ontem, de Novembro de 2016, os mesmos co-autores e apoiadores votaram contra. Sim, eles devem se posicionar contra esses projetos bizarros, mas isso, de acordo com o bom senso e a razoabilidade, deveria ter surgido diretamente deles antes e não somente depois dos gritos do POVO. Por isso essa corja não está imune a nossa insatisfação! Isso foi só mais uma demonstração que podemos fazer valer nosso poder.

Então, vereadores, pensem 17 vezes antes de apoiar qualquer coisa, pois nós, e somos muitas e muitos, estamos vigiando vocês ai dentro da caserna do poder! Vamos continuar afirmando até entrar na cabecinha oca de vocês: O POVO NÃO É BURRO!

O que vale apontar aqui é que a Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro sentiu medo do povo, uma vez que ele se insurgiu e mostrou sua voz contra esse projeto, obrigando assim que vereadores, co-autores e apoiadores, se posicionassem contra retirando seus apoios e vetando o projeto dentro da câmara.

PS.: O trabalhado a Rede de Informações Anarquistas é e sempre será voltado para os de baixo, logo, cabe a nós também deixar claro que ontem, dia 1º de novembro de 2016, depois do grito do povo em repúdio a esse projeto esdrúxulo, alguns apoios e co-autorias foram retiradas, então, segue o link do projeto e suas modificações: Projeto de lei n° 1442/2015

Ocupação da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro - 2013

Ocupação da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro – 2013

                           

Posted in Notícias | Tagged | Comentários desativados em O dia que o POVO calou os interesses políticos/partidários da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro

(Nota) Todo apoio às ocupações e livre manifestação nas instituições públicas de ensino no Brasil

A Rede de Informações Anarquistas coletivo que serve como ferramenta de amplificação da voz de todas aquelas e aqueles que são todos os dias covardemente silenciados pelo Estado e seus braços institucionais de opressão vem por meio dessa nota aberta dizer:

O Ministério da Educação (MEC) expediu um ofício endereçado aos diretores das instituições que fazem parte da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, pedindo posicionamento formal desses dirigentes ao Ministério da Educação caso haja eventuais ocupações dos espaços físicos em suas instituições. Pedem, inclusive, a identificação dos ocupantes (alunas e alunos) num prazo de 5 dias. O ofício data do dia 19 de outubro 2016.

Ofício Circular n°27/2016/GAB/SETEC/SETEC-MEC / PROCESSO N° 23000.045162/2016-48 - Data: 19 Outubro 2016

Ofício Circular n°27/2016/GAB/SETEC/SETEC-MEC / PROCESSO N° 23000.045162/2016-48 – Data: 19 Outubro 2016

Nós da RIA repudiamos veementemente a forma de controle estabelecida nesse ofício. Ele intimida os dirigentes das instituições de ensino e os pressiona, de maneira indireta, a delatar alunas e alunos, coletivos e organizações como grêmios escolares, grupos de discussão formados dentro das escolas, agrupamentos de afinidade política. A forma e a maneira como foi tecido esse ofício caracteriza controle por parte do governo federal, cria uma atmosfera de medo para quem se propuser a pensar novas formas de se organizar politicamente para amplificação da democracia dentro de suas instituições escolares. Limita claramente o direito a se manifestar do corpo discente, de mesmo modo coíbe a construção coletiva, o que compromete a mais importante função da Escola dentro da sociedade que é de criar o discernimento político, o empoderamento e entendimento da responsabilidade do indivíduo nela.

Repudiamos essa forma de vigilância que em nada se difere da praticada na época da ditadura militar, dessa vez está travestida de democracia. Essa prática cria medo e silencia estudantes que desejam se organizar, pensar e discutir a política dentro da escola. É cerceamento de direito, não é construtivo na ratificação do papel da Escola na formação de uma sociedade crítica. Esse ofício tolhe a prática de jovens que, ao manifestarem-se , buscam melhorar, crescer e, nesse processo, criam métodos e formas de amplificação da democracia nos seus meios de convívio.

Tomamos ciência que no dia 21 de Outubro o Ministério da Educação – MEC retirou dos seus meios oficiais o ofício acima contido e acrescentou uma nova nota oficial a respeito dos seus institutos ocupados, leia na integra: MEC reafirma direito a protesto, mas defende direito de ir e vir de alunos

Em nota publicada em seu site o “MEC reafirma que o direito de protestar é legítimo”, porém “apela para o bom senso dos que participam das ocupações para que desocupem esses espaços até o dia 31 próximo” para que o ENEM possa ser realizado, sem ao menos considerar que o Estado possui a alternativa de solicitar o uso de outros espaços (como universidades privadas) para a realização das provas, o que garantiria o direito dos alunos a livre manifestação e ocupação desses espaços. Vale destacar ainda dois novos pontos elencados nessa nova nota:

1- “2. Relatos dão conta da presença de pessoas que não pertencem à comunidade dos institutos federais ocupados. Cabe aos reitores, diretores e servidores públicos zelar pelo patrimônio das entidades que dirigem, de acordo com a autonomia prevista em lei.”

É direito estabelecido a cada cidadão a fiscalização de como a verba pública é aplicada pelo Estado, logo, é direito e dever de cada um frequentar espaços onde esses recursos são investidos o que garante a presença legítima de não só pessoas pertencentes à comunidade dos institutos federais, mas também toda e qualquer pessoa de fora dessas instâncias em toda e qualquer atividade Escolar, respeitando normas estabelecidas por cada centro preconizando a segurança dos alunos e de áreas sensíveis.

2- “5.  A Advocacia-Geral da União (AGU) já foi acionada pelo MEC e estuda as providências jurídicas cabíveis para os responsáveis pelas ocupações.”

Vale lembrar que o Estado insiste em apontar lideranças dentro de movimentos horizontais dos quais não se tem qualquer forma hierárquica de comando ou qualquer tipo de lideres ou lideranças,  logo, no trecho destacado acima o MEC afirma que tomará providencias cabíveis para punir responsáveis pela ocupações; novamente disseminando o medo que cerceia e silencia toda e qualquer forma de livre manifestação que ocorre ou poderá vir a ocorrer dentro de espaços escolares.

A RIA sempre estará do lado de toda aquela pessoa que busca o não personalismo, que busca a liberdade de manifestação, o direito de ocupar os espaços públicos. Está do lado do oprimido e dessa vez não seria diferente! Estarmos do lado dos Estudantes que ocupam centenas de escolas espalhadas no Brasil nessa linda luta!

Estudantes vocês não estão sozinhos!

Força, luta e Anarquia!

Rede de Informações Anarquistas – R.I.A

Alguns links sobre o caso:
MEC pede que dirigentes de escolas delatem estudantes que protestam contra PEC 241
Institutos não devem informar ao MEC nomes de alunos das ocupações

14793674_1138295489590420_1983371714_n

Posted in Notícias | Comentários desativados em (Nota) Todo apoio às ocupações e livre manifestação nas instituições públicas de ensino no Brasil

(ARGENTINA) Milhares de mulheres participam de Encontro único no mundo

cuq30omxyaau2sy

A cidade de Rosário recebeu entre os dias 8 e 10 de outubro dezenas de milhares de mulheres vindas de todas as regiões do país. Algumas viajaram a noite toda, das províncias do norte ou da Patagônia, percorrendo mais de 1.200 quilômetros. Se prepararam durante meses para participar do Encontro Nacional de Mulheres, um evento único no mundo, no qual as mulheres ocupam as ruas e fazem uso da palavra em oficinas para debater violência machista, feminicídios, direito ao aborto, educação sexual, mulher e trabalho, prostituição, juventude, e outros temas. Este ano o Encontro contou com novas oficinas: “Mulheres e Trabalhadoras sexuais” e “Mulheres e Cannabis”.

Rosário, localizada a 400 km de distância de Buenos Aires, é onde nasceu Che Guevara. Nos dias de hoje, porém, a rebeldia em Rosário tem rosto de mulher.

Esta edição do Encontro de Mulheres foi fortemente marcada pelo caso de Belén, uma jovem argentina que esteve presa por quase 900 dias. Seu crime: ter dado entrada num hospital com fortes dores em consequência de um aborto espontâneo. O tribunal condenou-a por “homicídio qualificado” e 8 anos de prisão. Recentemente, depois de uma enorme campanha por sua liberdade, no dia 18 de agosto deste ano, Belén conquistou a liberdade.

120 mil mulheres provocam a revolução feminista entre debates e oficinas

120 mil mulheres provocam a revolução feminista entre debates e oficinas

“Quero agradecer por se juntarem na minha luta e por seguirem lutando para que tudo se solucione. Dois meses depois de ter minha liberdade de volta, mando um enorme abraço à todas”, disse Belén em uma mensagem às mulheres que se reuniram este fim de semana.

O aborto na Argentina é ilegal e criminalizado pelo Código Penal, o que leva centenas de mulheres a morte todos os anos em consequência de abortos clandestinos, realizados sem mínimas condições de salubridade. Uma situação cujo atual governo de Macri não pretende modificar, assim como o governo anterior de Cristina Kirchner não apresentou mudança alguma. “Vou ao Encontro de Mulheres porque não quero nenhuma a menos por abortos clandestinos e para que nossa revolta se transforme em organização”, disse Paula Freddi, Diretora da Universidade Nacional de Artes Visuais (UNA).

Lorena Itabel, Delegada da Junta Interna dos funcionários do Ministério da Fazenda e Finanças Públicas, declarou que participa do Encontro “para que se cumpra a lei de licença por violência de gênero para as trabalhadoras estatais”. “Por creches e por abono de faltas nos casos de filho doente”, acrescentou Emilia Hidalgo, trabalhadora da aeronáutica. “Mexem com uma, nos organizamos milhares”, é o lema da bandeira de uma delegação de mulheres do Pão e Rosas vindas de Jujuy, fronteira com a Bolívia, uma das regiões mais pobres da Argentina.

No ato de abertura participaram diferentes agrupações, como Juntas a la Izquierda, Malas Juntas, Plenario de Trabajadoras, Movimiento Evita, Las Rojas, mulheres de ATE, e a maré violeta da organização de mulheres Pão e Rosas, que participou com uma destacada delegação que ocupou metade do monumento onde foi tirada a foto de abertura. Junto a esta delegação estavam as mulheres de Madygraf e as mulheres da fábrica de cerâmica Zanon, levando ao Encontro a luta das fábricas ocupadas e recuperadas pelos trabalhadores.

14657250_657587344404808_8982191419666676183_nNa semana antes no Encontro começou a circular uma carta exigindo da imprensa nacional uma cobertura ao vivo do evento. Uma das mulheres que impulsionou essa iniciativa foi Myriam Bregman, deputada nacional pela Frente de Esquerda e do PTS, ela reforçou que “os Encontros constituem uma grande instância de debate e organização para as dezenas de milhares de mulheres de todo o país que participam dos encontros a cada ano. Por isso, exigimos dos grandes meios de comunicação, a começar pela TV Pública, a transmissão para milhões de pessoas da jornada que protagonizares. Para que esta grande jornada que reunirá milhares de mulheres não seja visibilizada”.

Este foi o primeiro Encontro de Mulheres organizado durante o governo de Mauricio Macri, que está aplicando políticas neoliberais de demissões, aumento das taxas de serviços públicos e repressão. Durante o encontro houve debates entre setores kirchneristas e da esquerda que pretendem mobilizar-se de forma independente daqueles que governaram o país durante a última década, sem haver legalizado o aborto tampouco melhorado substancialmente a situação das mulheres trabalhadoras.

“As companheiras da agrupação de mulheres Pão e Rosas na Frente de Esquerda estamos convencidas de que somente a organização de uma força combativa de mulheres mobilizadas, independente dos partidos do regime político, do Estado e suas instituições, pode arrancar todos nossos direitos”, assegurou Andrea D’Atri, fundadora da agrupação Pão e Rosas, que este ano convocou milhares de mulheres em Rosário.

A partir do Pão e Rosas exigiram que se aprove um Projeto de Lei Integral contra a violência de gênero apresentado pela Frente de Esquerda no Parlamento, o avanço da legalização do aborto e a separação efetiva entre a Igreja e o Estado. Rechaçaram as medidas de ajuste e repressão do governo de Macri, denunciando a precarização das condições de trabalho das mulheres e exigindo dos sindicatos um plano de lutas nacional. Propôs-se uma campanha por cotas de emprego destinadas às pessoas trans, para acabar com a discriminação e demandam jardins de infância como responsabilidade dos patrões e do Estado, no marco de uma luta mais de fundo contra o patriarcado e o capitalismo.

Assista o vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=CgB1N-jDMlA

Posted in Notícias | Comentários desativados em (ARGENTINA) Milhares de mulheres participam de Encontro único no mundo

O que é amar – por Bakunin

Mikhail Alexandrovich Bakunin, the father of Russian nihilism.    (Photo by Nadar/Getty Images)

Carta de Bakunin ao irmão Paulo ( 29 de Março de 1845)

Continuo a ser eu próprio, como antes, inimigo declarado da realidade existente, só que com uma diferença: eu parei de ser um teórico, eu venci, enfim, em mim, a metafísica e a filosofia, e entreguei-me inteiramente, com toda a minha alma, ao mundo prático, ao mundo dos factos reais.

Acredite em mim, amigo, a vida é bela; agora tenho pleno direito de dizer isto porque parei há muito tempo de olhá-la através das construções teóricas e de conhecê-la somente em fantasia, pois experimentei efetivamente muitas das suas amarguras, sofri muito e entreguei-me frequentemente ao desespero.

Eu amo, Paulo, amo apaixonadamente: não sei se posso ser amado como gostaria que fosse, porém não me desespero; sei, pelo menos, que tem muito simpatia por mim; devo e quero merecer o amor daquela a quem amo, amando-a religiosamente, ou seja, activamente; ela está submetida à mais terrível e à mais infame escravidão e devo libertá-la combatendo os seus opressores e incendiando no seu coração o sentimento da sua própria dignidade, suscitando nela o amor e a necessidade da liberdade, os instintos da rebeldia e da independência, fazendo-lhe recordar a sensação da sua força e dos seus direitos.

Amar é querer a liberdade, a completa independência do outro; o primeiro acto do verdadeiro amor é a emancipação completa do objeto que se ama; não se pode amar verdadeiramente a não ser alguém perfeitamente livre, independente, não só de todos os demais, mas também e, sobretudo, daquele de quem é amado e a quem ama.

Esta é a profissão da minha fé política, social e religiosa, aqui está o sentido íntimo, não só dos meus actos e das minhas tendências políticas, mas também, tanto quanto me é possível, da minha existência particular e individual; porque o tempo em que poderiam ser separados estes dois géneros de acção está muito longe da gente; agora o homem quer a liberdade em todas as acepções e em todas as aplicações desta palavra, ou então não a quer de modo algum; querer a dependência daquele a quem se ama é amar uma coisa e não um ser humano, porque o que distingue o ser humano das coisas é a liberdade; e se o amor implicar também a dependência, é o mais perigoso e infame do mundo porque é então uma fonte inesgotável de escravidão e de embrutecimento para toda a humanidade.

 Tudo que emancipa os homens, tudo que, ao fazê-los voltar a si mesmos, suscita neles o princípio da sua vida própria, da sua actividade original e realmente independente, tudo o que lhes dá força para serem eles mesmos, é verdade; tudo o resto é falso, liberticida, absurdo. Emancipar o homem, esta é a única influência legítima e bem-feitora.

Abaixo todos os dogmas religiosos e filosóficos – que não são mais que mentiras; a verdade não é uma teoria, mas sim um facto; a vida é a comunidade de homens livres e independentes, é a santa unidade do amor que brota das profundidades misteriosas e infinitas da liberdade individual.

Nota biográfica

Mikhail Bakunin (1814-1876), de origem aristocrática, que percorreu toda a Europa como activista revolucionário e exilado político, foi um dos fundadores da Associação Internacional dos Trabalhadores, também conhecida por I Internacional, sendo uma das figuras mais importantes do movimento e do pensamento anarquista. Da sua bibliogarfia destaca-se o livro Deus e o Estado.

A carta reproduzida acima tem data de 29 de Março de 1845 e foi enviada de Paris por Bakunin ao seu irmão Paulo.

Posted in Notícias | Comentários desativados em O que é amar – por Bakunin

Voltando a David Graeber: “Dívida sempre foi uma questão de poder”

debtEm setembro de 2011, o antropólogo americano David Graeber estava no grupo que planejou um acampamento coletivo no Parque Zuccotti, em Nova York, para protestar contra a desigualdade econômica. Foi o início do movimento Occupy Wall Street, que nos meses seguintes mobilizou milhares de pessoas e colocou em circulação slogans como “Nós somos os 99%”. Até então um acadêmico pouco conhecido, autor de uma pesquisa de campo no arquipélago africano de Madagascar, Graeber havia publicado meses antes o livro “Dívida: os primeiros 5.000 anos” (Três Estrelas), que se tornou um inesperado best-seller ao retratar a história da economia do ponto de vista da relação entre credores e devedores. Graeber falou ao GLOBO por e-mail sobre o livro, que chega ao Brasil ao mesmo tempo que “Um projeto de democracia” , seu ensaio sobre a história e o legado do Occupy Wall Street. (Outras Palavras, 8 de Abril de 2016)

Em “Dívida”, você diz que “a dívida dos consumidores é a força vital da economia e a dívida externa é o tema central da política internacional”. Como a dívida se tornou o centro das relações econômicas e quais são as consequências disso?

Estamos acostumados a pensar que o sistema de crédito é relativamente recente. A história padrão é que primeiro veio o escambo, depois o dinheiro físico e, só então, o crédito. Na verdade, parece ter acontecido o oposto. O crédito veio antes. A moeda foi inventada bem mais tarde, talvez dois mil anos depois das primeiras transações de crédito conhecidas. E o escambo (nota Portal Anarquista: troca de serviços ou bens, permuta) — do tipo “eu te dou 20 galinhas em troca dessa vaca” — só ocorre mesmo de forma ampla em lugares onde as pessoas estão acostumadas a usar dinheiro, mas de uma hora para outra perdem o acesso à moeda. Então, desse ponto de vista, crédito e dívida sempre estiveram no centro da economia. E o que o registro histórico revela é que hoje estamos fazendo tudo errado. Normalmente, em períodos dominados pelo crédito, são criadas instituições para proteger os devedores: os reis divinos da Mesopotâmia que anistiavam dívidas ou leis medievais antiusura, por exemplo. Do contrário, aqueles que têm o poder de criar crédito acabam dominando todo mundo. E agora, o que fazem? O exato oposto. Instituições como o FMI protegem credores contra devedores. O resultado é previsível: uma série sem fim de crises da dívida.

Você viveu em Madagascar e costuma citar o país como exemplo das contradições da dívida externa. Como sua experiência lá influenciou suas reflexões sobre a dívida?

Madagascar foi conquistado pela França, em teoria, porque não conseguia pagar suas dívidas. Um jovem príncipe inocente assinou um tratado prometendo concessões de livre comércio e, quando se tornou rei e tentou implementá-lo, foi derrubado. Então o governo francês exigiu indenização e, como Madagascar não pôde pagar, decidiu invadir o país. Mas mesmo depois de a França ter explorado o país por 65 anos e da conquista da independência, Madagascar ainda devia dinheiro à França! Como aconteceu isso, e não o contrário? Como o resto do mundo aceitou isso?

No livro você fala sobre a “dimensão moral” da dívida. Como ela funciona?

Dívida sempre foi uma questão de poder. Os verdadeiramente poderosos só precisam pagar suas dívidas se quiserem. Donald Trump faliu várias vezes — quem liga? Olhando para a História, o mais perturbador é o grande poder moral que a dívida tem para fazer relações de dominação violenta parecerem moralmente justificáveis e, mais que isso, para fazer parecer que a culpa é da vítima. E as pessoas aceitam isso. Mesmo quando eu falava do colapso do sistema de saúde em Madagascar causado pelos ajustes econômicos, e das mortes que isso provocou, se eu sugerisse que a dívida do país deveria ser abolida, mesmo os mais liberais diziam: “Mas eles pegaram dinheiro emprestado! Eles têm que pagar”. E eu estava falando da morte de milhares de crianças. Esse é o poder da dívida.

Você já disse que muitos participantes do Occupy Wall Street eram “refugiados da dívida”. Como a dívida fomentou os protestos?

Não fazíamos ideia de quem iria aparecer quando planejamos as ações no Parque Zuccotti. Vieram milhares de jovens que não conhecíamos, então alguns dos organizadores começaram a fazer entrevistas. A surpresa foi como a história deles era parecida. “Estudei duro, entrei numa boa universidade, fiz um empréstimo porque era necessário. Mas de repente os agentes financeiros quebraram a economia com seus negócios escusos e não havia mais empregos. Eles foram socorridos pelo governo, mas eu não fui socorrido. O governo vai assegurar que eles me tirem cada centavo, ainda que não haja emprego algum porque eles quebraram a economia e, como resultado, vou ter que passar o resto da vida escutando que sou caloteiro e imoral porque devo dinheiro a eles. Isso não é justo”.

Quais foram as contribuições do Occupy para o debate público?

Fizemos os americanos discutirem classes sociais outra vez. Desde quando isso não acontecia, os anos 1930? E não só isso, mas também poder de classe — esse é o significado do 1% e dos 99%. O 1% é a fração que não apenas detém o lucro do crescimento econômico, mas também faz a maior parte das contribuições de campanha, portanto consegue transformar sua riqueza em poder político e usar esse poder para aumentar sua riqueza. Por isso nos recusamos a participar do processo político, da forma como está ele é apenas suborno institucionalizado. Se não fosse o Occupy, acredito que em 2012 teríamos tido um presidente Romney (lembre-se que no início da campanha a experiência dele em Wall Street era considerada uma vantagem). E veja o que acontece em 2016. Nos dois partidos (Democrata e Republicano) há grandes rebeliões que, de formas muito diferentes, se insurgem contra a corrupção do sistema político.

Depois dos protestos antiglobalização dos anos 1990 e do movimento Occupy, no início deste década, quais são as frentes atuais da luta contra a desigualdade?

Acredito que, desde 2011, houve um realinhamento da compreensão sobre o que significa um movimento democrático. Não é mais possível pensar em democracia como apenas partidos políticos assumindo governos. Tem que significar algo mais, algo que opere também fora do Estado. Isso é verdade na Bósnia, em Hong Kong, no Praça Taksim (Istambul), ou mesmo em lugares como Rojava, na Síria, que estão fazendo experiências com democracia direta. Está claro que o sistema existente atingiu um ponto de ruptura. Para mim, a grande questão é o renascimento da imaginação econômica, política e social, porque a única sustentação do capitalismo nas últimas décadas, quando perdeu fôlego como força de progresso econômico, foi barrar a imaginação, dizer às pessoas que nada além disso é possível. Acho que precisamos usar muito nossa imaginação, e rápido, ou estaremos em apuros.

originalmente aqui: http://naofode.xyz/8r5k

Posted in Notícias | Comentários desativados em Voltando a David Graeber: “Dívida sempre foi uma questão de poder”

(Artigo) Transformar a desconfiança nos de cima no apoio mútuo entre os de baixo: a influência anarquista

Numa ressaca pós-eleitoral, nossos companheiros e companheiras discutem quem é mais libertário, aguerrido ou combativo. Dado que na nossa opinião, o subcomandante insurgente Moisés resolveu a questão sobre a articulação entre a questão eleitoral e a questão organizativa não vamos ocupar espaços para discutir essa questão. Não seremos mais um bando de anarquistas dispostos a entrar numa política de identidade – ou numa luta por reconhecimento – afirmando que o nosso não comparecimento às urnas implica que sejamos mais revolucionários do que vocês.

Isso não significa, de outra parte, que estejamos ignorando solenemente o espetáculo, ou melhor dizendo, a farsa eleitoral dos governantes. Parafraseando um sujeito que concorre em eleições, não tencionamos nos retirar para o mundo fantástico do anarquismo retorico que só existiria em nossas narrativas. Muito antes, estamos profundamente conscientes do que nos espera. Em outros lugares, discutimos sobre a presença massiva dos aparatos de segurança nos projetos de cidade apresentados pelos candidatos dessa última eleição – o que demonstra a tendência assustadora do acirramento do nosso já conhecido Estado policial. Dessa vez, decidimos nos deixar pautar, no âmbito da reflexão, pelo resultado das eleições para tecer algumas conjecturas que talvez nos levem para a necessidade de construir e, fundamentalmente, de apoiar ações que nos direcionam para muito longe da política eleitoral.

Em poucas palavras, queremos refletir aqui sobre um pequeno dado, mas de dimensões profundas. Referimo-nos a derrota acachapante do PMDB no município do Rio de Janeiro. Dizendo de forma direta, acreditamos que a derrota do partido e do projeto que vem assujeitando a cidade do Rio de Janeiro, ha quase uma década, tenha implicações políticas muito mais significativas do que uma simples “dança das cadeiras” ou um “arranca-rabo dos de cima”. Na nossa visão, é todo um projeto de conciliação que entra em ruína. Se o Partido dos Trabalhadores representou, no plano nacional, um projeto de conciliação de classe, a máquina do PMDB no Rio de Janeiro sempre representou e ainda representa um projeto de conciliação de máfias. Mas, desta vez, o Príncipe das Milícias não elegeu seu sucessor.

Talvez o Bispo entre no tabuleiro para manter as peças nos seus mesmíssimos lugares. Talvez não entre. Em todo caso, parece pouco provável que o arranjo que orquestrou a cidade possa ser reproduzido da mesma forma sob a batuta de outros governantes e, principalmente, de outras forças políticas. A verdade é que o modelo de conciliação de máfias e abafamento dos conflitos através da militarização – projeto no qual UPPs e máfia dos transportes e merenda representam verso e reverso – já começou a ruir e parece ruir ainda mais.

Celebremos, companheiras e companheiros. Mas com cautela. Se a federação das máfias aparentemente faliu, economicamente e politicamente, isso não significa que dos escombros do mundo velho renascera automaticamente o mundo novo. Profetas do fim do mundo, contenham a vossa sanha niilista; é de suma importância levar em consideração que o simples fato da derrocada do PMDB não leva automaticamente à desconstrução desse modelo de cidade. Mas pode levar.

Algumas organizações parecem já se dar conta dessa nova conjuntura e desenvolvem suas estratégias. No momento em que escrevemos essas linhas algumas facções investem pesado e sem hesitação na retomada de territórios colonizados pelas UPPs – como atestam os casos do Fallet, Fogueteiro e Coroa, na região central do Rio. Antevemos, assim, um momento de conflitos acirradíssimos no curto espaço de tempo. Conflitos tao acirrados que se tornará cada vez mais difícil desmentir, como fazem os governantes, o fato de que o Rio de Janeiro vive uma guerra, na qual as vítimas são estritamente os pobres.

No entanto, enquanto essas organizações, comandos ou facções se encarregam de abolir o Estado através de todos os meios necessários, não para proclamar a anarquia, mas antes para construir verdadeiros feudos; nós, anarquistas, infelizmente estamos nos perdendo em debates estéreis sobre quem é mais combativo do que quem, numa disputa identitária de luta por reconhecimento.

Deveríamos, antes, aproveitar a ocasião para nos organizarmos para apoiar a luta contra o genocídio do povo preto e periférico – genocídio este que constitui o verdadeiro projeto político dos governantes dessa cidade – numa luta que articula pautas bastante concretas, que vão desde a abolição das policias e desmilitarização do cotidiano até o fim da guerra às drogas (guerra aos pobres, na verdade) passando por um “basta!” na política de remoções e desalojos, sem deixar de lado a questão do transporte público e da mobilidade urbana. Respeitando o protagonismo de quem sofre na pele as opressões desse modelo de cidade, deveríamos aproveitar o refluxo da federação das milícias para construir o nosso federalismo libertário. Se a construção do poder popular sempre foi uma necessidade, cada vez mais ela se faz uma urgência na medida em que dos escombros do mundo velho ameaça nascer um mais velho ainda.

Mas não estamos sozinhos. Talvez quem tenha efetivamente destituído a cúpula da máfia da prefeitura não tenham sido os eleitores do candidato x ou do candidato y, mas os mais de quarenta por cento do eleitorado que se recusaram, pelas mais distintas razoes, a referendar esse projeto de poder. Não acreditamos que aqueles que não votaram, votaram em branco ou anularam o voto, sejam, na sua maioria, anarquistas ou libertários. Infelizmente, as vezes, a rejeição da política eleitoral vem acompanhada de uma rejeição completa da política – o que pode levar ao endosso de políticos neoliberais, que se legitimam através das narrativas da competência e da gestão, como atesta o caso de São Paulo. Isso para não dizer da rejeição fascistoide que espera pelo líder conquistador e pelo arrebatamento.

Assim, para que das ruínas da política representativa possa emergir, não o espectro do fascismo, mas a rosa negra da autogestão faz-se necessário, agora e sempre, produzir e fomentar os espaços de autogestão, de autodefesa e de formação política. Devemos abandonar o mito jusnaturalista e liberal, muitas vezes difundido no interior do anarquismo, que afirma que todo ser aspira a liberdade e sabe, de maneira espontânea, o que é melhor para si. Preferencias, desejos e aspirações, são matérias políticas e como tais devem ser elaboradas. O fracasso das instituições partidárias, enquanto veículos de ruptura, não pode obscurecer o fato de que a transformação da desconfiança nos de cima em confiança e apoio mutuo nos debaixo é produto da articulação política enquanto tal. Cabe, portanto, a anarquistas e toda sorte de militantes combativos revolucionários conspirar para que isso aconteça através de todos os meios necessários.

na

Posted in Artigos | Tagged , , , , , , | Comentários desativados em (Artigo) Transformar a desconfiança nos de cima no apoio mútuo entre os de baixo: a influência anarquista

CISNE NEGRO

Relatos de um anarco-individualista num mundo autoritário.

Quantas vezes você, meu amigo anarquista, ja não ouviu em foruns, plenárias, reuniões ou em simples encontros anarquistas as seguintes frases:
“Precisamos nos organizar!”
“Devemos ser combativos!”
“Somos responsáveis por fazer a revolução!”

A todos esses eu diria NÃO. A esses e a todos que usam esse tipo de premissa imperativa, onde o interlocutor não usa absolutamente nada a não ser SUA PRÓPRIA visão de mundo para decidir que mundo é o ideal e que ações devemos tomar para um dia talvez alcança-lo.

Quer se organizar meu amigo? Organize-se! Mas encontre pessoas num círculo de afinidade e que tenham a mesma visão de organização e os mesmos objetivos que você. Simplesmente pare de tentar convencer os outros da SUA idéia de organização e lembre-se que nenhuma idéia pode ser imutavel, que sua idéia não é uma rocha.

Quer ser combativa minha amiga? Seja! Mas ao invés de saliva autoritaria, gaste seus coquetéis molotov na policia. Faça-os recuar quando estiverem vindo para a repressão. Convença as pessoas através de exemplos e não com seus malabarismos retoricos. Não chame para a linha de frente quem não tem a menor condição de segurar a onda.

Quer fazer revolução meu caro? Faça! Faça a sua revolução. Não se prenda a revoluções dos livros de historia, pois essas ja não cabem mais no mundo de hoje. Ou ao menos respeite quem pensa que esse tipo de revolução não funciona mais, assim como respeitaremos você.

Que mundo ideal pode ser proposto por uma unica pessoa ou grupo?
Que pessoa ou grupo seria capaz de idealizar esse mundo ideal COMUM A TODOS?
Fechados em nossos clubinhos tudo parece lindo quando vestimos o mundo de preto. Só que a relidade vai muito além do que alcançam nossos olhos e nossas mentes. Sempre haverá um cisne negro no meio de um milhão de cisnes brancos, para jogar por terra todas as nossas teorias e achismos.

Com essa fundamentação básica, gostaria de trazer a tona o que considero ser o principio basico da organização: A LIVRE ASSOCIAÇÃO.
Muitos pensarão: Ah mas isso é óbvio.
Talvez em nossas cabeças isso seja óbvio, mas seria tão óbvio assim na pratica?
Se é óbvio, porque continuamos vendo grupos anarquistas imporem suas visões de mundo a outros?
Porque continuamos vendo pessoas serem convencidas da visão de mundo de outras pessoas dentro deste grupo?
Porque continuamos vendo surgirem grupos anarquistas propondo sua própria revolução e esquecendo de combinar com o povo?
Sairemos algum dia de nossos castelos?

Pois bem, dito isso passamos ao proximo ponto: Organizar-se ou não?
A resposta para essa pergunta é sim e não.

SIM quando o individuo sente a necessidade de se organizar com outros individuos a fim de somar esforços para um objetivo maior.

NÃO quando um individuo ou grupo convence outro individuo ou grupo a organizar-se. Pois nesses casos a questão maior não é realizar objetivos e sim uma disputa ou mostra de poder apenas. “Somos grandes e organizados, portanto seremos nós os porta-vozes da revolução”

A esse segundo grupo, meu sincero FODA-SE.

A conquista diária da minha liberdade, por mais limitada que seja, jamais será atravessada por questões pessoais de outro(s) individuo(s).
Essa conquista é meu bem mais precioso e me agarrarei a ela com unhas e dentes.
Simplesmente não me diga o que eu devo fazer.
Faça! Faça você mesmo 10 vezes se achar necessário.
Seja você o exemplo do que quer para o mundo, pois se sua idéia for realmente genial, seu exemplo será automaticamente seguido e assim você poderá, pular toda a parte do malabarismo retorico que você faz pra tentar convencer os outros em suas reuniões secretas.

Consta ai então, uma breve defesa do individualismo como fator essencial para qualquer tipo de organização ou ação não-autoritaria e condizente com o mundo libertário.

Lembre-se que mesmo sendo pobre, talvez não seja negro.
Que mesmo sendo indio, talvez não seja mulher.
Que mesmo sendo gay, talvez não seja trans.
Não é a quantidade ou a falta de privilégios que irá fazer com que o mundo perfeito seja igual para todos.
Ja parou pra pensar que talvez eu não queira o seu mundo ideal para mim?
O mundo perfeito será sempre apenas o NOSSO PROPRIO mundinho perfeito.
Por isso jamais diga para mim qual seria o meu mundo perfeito. Você nunca saberá.

O nosso trabalho individual consiste em acordar em nós mesmos o cisne negro que existe dentro de nós.
Talvez um dia, quem sabe, quando os cisnes negros forem muitos, a revolução terá acontecido e sequer termos nos dado conta.

J.

10402818_730941680289516_982076127224906270_n

Posted in Artigos, Relatos | 2 Comments

(ITÁLIA) 30 buscas e 5 prisões pelo “ataque” da Federação Anarquista Informal – FAI

Nas primeiras horas do dia 6 de setembro, uma operação coordenada pela Digos (polícia política) de Turim levou a busca em 30 casas em diversas regiões itianas (Piemonte, Ligúria, Lazio, Úmbria, Lombarda, Abruzzo, Campânia, Sardenha e Emília-Romanha) e a prisão de 5 anarquistas acusados de associação criminosa com intenções terroristas: Anna, Marcos, Sandrona, Danilo e Valentina; além disso, notificações de prisão de Nicola e Alfredo foram emitidas.

A operação, chamada “Scripta Manent” (do provérbio em latim “verba solant, scripta manent” – palavras faladas se perdem, palavras escritas permanecem), tenta atribuir a uma única direção uma série de ações reivindicadas pela Federação Anarquista Informal, reproduzindo assim as mesmas estratégias repressivas de operações anteriores, como a Servantes e Ousadia (“Adire”), e busca impor uma estrutura associativa e vertical nas expressões da conflitualidade anarquista.

Em particular, os ataques inseridos nesta investigação incluem as encomendas-bombas enviadas a direção do CPT (centros de detenção para imigrantes) em Modena, em Maio de 2005; para o quartel de policiais de tráfego em Turim-San Salvario e para o chefe-policial de Lecce (reivindicado pela FAI/Narodnaja Volja); o dispositivo explosivo contra o quartel RIS (forenses carabinieri) em Parma (24 outubro de 2005, reivindicado pela FAI/Cooperativa Artigiana Fuoco e Affini-occasionalmente spettacolare); o pacote-bomba enviado ao prefeito de Bolonha, Sergio Cofferati (02 de novembro de 2005, reivindicado pela FAI/Cooperativa Artigiana Fuoco e Affini-occasionalmente spettacolare); os dispositivos contra o quartel dos cadetes dos carabinieri em Fossano (2 de junho de 2006, reivindicado pela FAI/RAT-Rivolta Anonima e Tremenda); os dispositivos colocados no bairro de Turin, Crocetta (07 de março de 2007, reivindicado pela FAI/RAT); entre as outras ações também o ferimento de Adinolfi (7 de Maio de 2012), apesar do fato de que dois companheiros já foram condenados e reivindicaram publicamente este ataque, para corroborar com o crime de associação.

Parece que os investigadores sentiram a necessidade de estruturar suas pistas, usado até mesmo especialistas linguísticos e grafologia, além de vigilância eletrônica e informática, e perseguição.

Provavelmente, os companheiros do sexo masculino serão transferidos para a prisão de AS (alta vigilância) em Ferrara, e as companheiras do sexo feminino para Rebibbia em Roma, mas nós preferimos aguardar a confirmação antes de publicar os endereços.

Links: https://insurrectionnewsworldwide.com/2016/09/07/italy-30-searches-and-5-arrests-for-the-attacks-of-informal-anarchist-federation-fai/

Link da notícia no Brasil: http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2016/09/06/italia-detem-grupo-anarquico-por-planejar-ataques-com-bombas/

Informal Anarchist Federation (FAI)

Informal Anarchist Federation (FAI)

Posted in Notícias | Tagged | Comentários desativados em (ITÁLIA) 30 buscas e 5 prisões pelo “ataque” da Federação Anarquista Informal – FAI

Quem tem medo de “Black Bloc”? Corações e mentes que não cabem na “ex-querda” institucional/partidária.

Já estamos ciente das recentes declarações das lideranças de movimentos ligados à esquerda partidária/institucional. Deixamos claro que nossa crítica JAMAIS será direcionada àqueles que lutam verdadeiramente pela PAUTA, àqueles que dão o próprio sangue na defesa de uma causa (principalmente àqueles cuja luta é a única saída). Nossa porrada será naqueles que insistem em ser burocratas do povo, os que se dizem lutar junto ao povo mas, na verdade, desejam apenas poder e uma vaga na boquinha da democracia burguesa.

Primeiramente, vamos voltar no tempo. Exatamente ao contexto de 2013 (sim, sempre ele). Apesar do histórico de resistências e práticas de autodefesa anteriores à essa data, é sempre necessário ressaltar que o ano de 2013 é nosso grande referencial recente em termos de táticas de reação à repressão policial nas ruas. Nos desculpe os academicistas, mas a verdade é que muitos dos que hoje conseguem enxergar a necessidade da autodefesa organizada foram forjados pela brutal repressão policial de 2013. É nesse contexto que anarquistas e libertários relançaram a prática da tática Black Bloc nas grandes manifestações populares em todo o Brasil. E afirmamos isso, categoricamente, porque já existiam adeptos dessa tática atuando no Brasil, mais especificamente em São Paulo, desde as jornadas mundiais contra o neoliberalismo no início dos anos 2000. A diferença é que a ação na rua, totalmente descacterizada de lideranças ou centralismos, levou à população geral uma possibilidade até então pouco difundida: ficar e lutar! Ficar e resistir.

A tática black bloc no Brasil, assim como na própria origem da prática, nasceu da resistência aos ataques da repressão policial. Black bloc não é nem nunca será um grupo, uma coisa delimitada por toda sorte de burocracias e procedimentos centralizadores, assim como são as frentes de gente que se diz “Sem Medo” ou os tais levantes que tem de tudo, menos popularidade. Ninguém é black bloc! A tática não está no campo do ser, ideologicamente falando. Assim como inúmeras outras táticas, anarquistas ou não, o bloco negro faz parte de uma estratégia, um conjunto de ideias caracterizadas por um objetivo final comum. E é neste ponto que anarquistas, libertários e independentes se separam da velha e falida esquerda partidária e seus pretensos movimentos sociais.

A tática de criar um bloco negro serve à dois princípios: materializar uma força frente a repressão do Estado contra manifestações e passar a clara mensagem de que ali não estão personalidades ou rostos que buscam o poder! Vestimos o negro porque nosso luto é a luta. Usamos máscaras, muitas delas anti-gás lacrimogênio, para nos defender da perseguição policial e para expressar, simbolicamente, que nosso foco é a defesa da causa e não fotomontagens para jornais de grande circulação no meio empresarial.

Dentro da estratégia anarquista/libertária, o bloco negro faz front para que nossa luta contra a estrutura do Estado e contra os interesses do capital não seja facilmente silenciada pela chuva de bombas de efeito moral que a polícia insiste em utilizar. Nossa reação aos ataques das forças de repressão sempre será direcionada ao patrimônio daqueles que financiam o caos social que vivemos. Vidraças continuaram sim sendo quebradas, quer vocês queiram ou não! Barricadas continuaram sim sendo erguidas, pois nossa fúria não cabe nas urnas! O bloco negro é e continuará sendo a pedra no sapato dos magnatas que financiam as desigualdades sociais que vivemos. Somos temidos pela grande mídia porque não compramos suas mentiras, somos incontroláveis. E a imprensa, que nada tem de imparcial, sabe que nós somos aquelas variáveis que dificultam absurdamente a simples equação do consenso fabricado, ou seja, do controle popular: nós não servimos à narrativa da política de “torcida”, pois não servimos nem à direita nem à esquerda partidária! Não servimos nem às elites, nem aos movimentos burocratas! Nossa ação, QUANDO NECESSÁRIA, é em defesa da pauta, em defesa da causa que está na rua, desde que a mesma esteja em plena sintonia com a estratégia anarquista/libertária.

E o que os anarquistas e libertários tanto querem? Respondemos: cada um na forma que lhe couber, com tática e tempo que julgar ser o mais certeiro, todas e todos nós queremos o fim do caos social provocado pelo capitalismo, pelo Estado e pelos agrupamentos fascistas! E é exatamente por isso que a tática black bloc segue sendo criminalizada pelos burocratas da esquerda e pela imprensa à serviço do empresariado. Não nos surpreende que Guilherme Boulous, cordenador do MTST, tenha corrido à Folha de São Paulo para dissociar sua “gestão” das práticas black bloc. Ele assim fez porque seu objetivo não é instaurar um processo revolucionário que possibilite a luta real dos de baixo. Seu interesse é, na verdade, mais do mesmo, o que todo bom burocrata quer: poder.

O que ainda nos surpreende é a falta de autoconhecimento e crença na própria força que a maioria esmagadora da população tem. Entedemos que isso não é acaso ou cultural, como insistem alguns. Entendemos que isso parte de um projeto de poder que há anos governa a população brasileira para que todos nós sacrifiquemos nossa própria autonomia em função de um de ente abstrato, regulador e violento: o Estado Democrático de Direito.

Conclamamos, mais uma vez, a população para que se libertem das amarras que vos prende. Não precisamos de líderes, heróis, salvadores ou mitos!
Nós carregamos mundos possíveis em nossos corações!
Não façam o jogo do poder dominante, que pega o discurso de burocratas da vida e usa para nos dividir ainda mais. Afinal,
não custa lembrar que um povo dividido é mais facilmente conquistado!
Sempre estivemos e continuaremos nas ruas! Nenhum governo será legitimo, pois a democracia representativa, por si só, é ilegítima!

Viva o movimento libertário!

fgvcdnmhg
Posted in Notícias | Tagged | Comentários desativados em Quem tem medo de “Black Bloc”? Corações e mentes que não cabem na “ex-querda” institucional/partidária.